sábado, 3 de junho de 2017

04 DE JUNHO - LEITURA BÍBLICA ANUAL - ISAÍAS 23 E 24.

Isaías 23 - NVI

Profecia contra Tiro

1Advertência contra Tiro:
Pranteiem, navios de Társis!
Pois Tiro foi destruída
e ficou sem nenhuma casa e sem porto.
De Chipre veio a você essa mensagem.
2Fiquem calados,
habitantes das regiões litorâneas,
e vocês, mercadores de Sidom,
enriquecidos pelos que atravessam o mar
3e as grandes águas.
O trigo de Sior
e a colheita do Nilo eram a sua renda,
e vocês se tornaram
o suprimento das nações.
4Envergonhe-se, Sidom,
pois o mar, a fortaleza do mar, falou:
"Não estive em trabalho de parto
nem dei à luz;
não criei filhos nem eduquei filhas".
5Quando a notícia chegar ao Egito,
ficarão angustiados
com as novidades de Tiro.
6Cruzem o mar para Társis;
pranteiem, vocês,
habitantes das regiões litorâneas.
7É esta a cidade jubilosa
que existe desde tempos muito antigos,
cujos pés a levaram a conquistar
terras distantes?
8Quem planejou isso contra Tiro,
contra aquela que dava coroas,
cujos comerciantes são príncipes,
cujos negociantes são famosos
em toda a terra?
9O Senhor dos Exércitos o planejou
para abater todo orgulho e vaidade
e humilhar todos os que têm fama na terra.
10Cultive a sua terra
como se cultivam as margens do Nilo,
ó povo de Társis,
pois você não tem mais porto.
11O Senhor estendeu a mão sobre o mar
e fez tremer seus reinos.
Acerca da Fenícia ordenou
que as suas fortalezas sejam destruídas,
12e disse: "Você não se alegrará mais,
ó cidade de Sidom, virgem derrotada!
"Levante-se, atravesse o mar até Chipre;
nem lá você terá descanso".
13Olhem para a terra dos babilônios;
esse é o povo que não existe mais!
Os assírios a deixaram
para as criaturas do deserto;
ergueram torres de vigia,
despojaram suas cidadelas
e fizeram dela uma ruína.
14Pranteiem, vocês,
navios de Társis;
destruída está a sua fortaleza!
15Naquele tempo, Tiro será esquecida por setenta anos, o tempo da vida de um rei. Mas, no fim dos setenta anos, acontecerá com Tiro o que diz a canção da prostituta:
16"Pegue a harpa, vá pela cidade,
ó prostituta esquecida;
toque a harpa, cante muitas canções,
para se lembrarem de você".
17No fim dos setenta anos o Senhor se lembrará de Tiro. Esta voltará ao seu ofício de prostituta e servirá a todos os reinos que há na face da terra.
18Mas o seu lucro e a sua renda serão separados para o Senhor; não serão guardados nem depositados. Seus lucros irão para os que vivem na presença do Senhor, para que tenham bastante comida e roupas finas.

Isaías 24

A devastação da Terra

1Vejam! O Senhor vai arrasar a terra
e devastá-la;
arruinará sua superfície
e espalhará seus habitantes.
2Será o mesmo
para o sacerdote e o povo,
para o senhor e o servo,
para a senhora e a serva,
para o vendedor e o comprador,
para quem toma emprestado
e quem empresta,
para o devedor e o credor.
3A terra será completamente arrasada
e totalmente saqueada.
Quem falou esta palavra
foi o Senhor.
4A terra seca-se e murcha,
o mundo definha e murcha,
definham os nobres da terra.
5A terra está contaminada
pelos seus habitantes,
porque desobedeceram às leis,
violaram os decretos
e quebraram a aliança eterna.
6Por isso a maldição consome a terra,
e seu povo é culpado.
Por isso os habitantes da terra
são consumidos pelo fogo
ao ponto de sobrarem pouquíssimos.
7O vinho novo vai-se,
e a videira murcha;
todos os que se divertiam gemem.
8O som festivo dos tamborins
foi silenciado,
o barulho dos que se alegram parou,
a harpa cheia de júbilo está muda.
9Já não bebem vinho entoando canções;
a bebida fermentada é amarga
para os que a bebem.
10A cidade vã está em ruínas;
a entrada de cada casa está fechada.
11Nas ruas clamam por vinho;
toda a alegria chegou ao fim,
toda celebração foi eliminada da terra.
12A cidade foi deixada em ruínas,
sua porta feita em pedaços.
13Assim será na terra, entre as nações,
como quando se usa a vara na oliveira
ou se buscam os restos das uvas
após a colheita.
14Erguem as vozes, cantam de alegria;
desde o ocidente aclamam
a majestade do Senhor.
15Deem glória, pois, ao Senhor no oriente,
e nas ilhas do mar exaltem
o nome do Senhor, o Deus de Israel.
16Desde os confins da terra
ouvimos cantar:
"Glória seja dada ao Justo!"
Mas eu disse: "Que desgraça!
Que desgraça!
Ai de mim! Os traidores traem!
Os traidores agem traiçoeiramente!"
17Pavor, cova e laço os aguardam,
ó habitantes da terra!
18Quem fugir ao grito de terror
cairá na cova;
quem sair da cova será pego no laço.
Abertas estão as comportas dos céus;
tremem os alicerces da terra.
19A terra foi despedaçada,
está destruída,
totalmente abalada!
20A terra cambaleia como um bêbado,
balança como uma cabana ao vento;
tão pesada sobre ela é a culpa
de sua rebelião
que ela cai para nunca mais se levantar!
21Naquele dia, o Senhor castigará
os poderes em cima nos céus
e os reis embaixo na terra.
22Eles serão arrebanhados
como prisioneiros numa masmorra,
trancados numa prisão
e castigados depois de muitos dias.
23A lua ficará humilhada,
e o sol, envergonhado;
pois o Senhor dos Exércitos reinará
no monte Sião e em Jerusalém,
glorioso na presença dos seus líderes!





Nenhum comentário:

Postar um comentário